Custeio Industrial

O custo de um item é a soma de várias parcelas, tais como:

  • aquisição do próprio item, se comprado
  • aquisição dos insumos, se o item for fabricado
  • frete
  • mão de obra direta: folha de pagamento
  • mão de obra indireta e custos gerais, tais como energia elétrica e aluguel
  • serviços externos realizados sobre os itens, tais como inspeção, pintura, consultoria.

As informações a respeito dos valores dessas parcelas podem vir em diferentes momentos, portanto custeio significa valor total calculado até determinado momento.

O custo de um item é acumulado:

  • em determinada posição (ou registro) de estoque, ou
  • na conta contábil CPV (custo dos produtos vendidos), se o produto já saiu da empresa, tendo sido vendido, dado ou descartado. Neste caso, e se o produto saiu de uma posição do estoque de “produtos prontos”, então seu custo total corresponderá ao valor total movimentado entre esta posição e a conta CPV.

O custo dos produtos sempre se propaga através de movimentações, e não através de lançamentos contábeis.  Ou seja, a única forma de mexer no estoque, seja em quantidade ou em valor, é através de movimentações.

O MAXIPROD realiza o custeio por absorção, com um mínimo de necessidade de interferência do usuário.

Segundo os princípios do custeio por absorção, todos os custos incorridos por uma indústria devem ser absorvidos pelos seus produtos e serviços.  Entre os produtos e serviços, incluem-se tanto os produtos vendidos, como os pronto para a venda, os semi-acabados e o estoque.

Esses custos não incluem as despesas gerais da empresa, tais como as vendas e publicidade, que não podem ser imputados direta ou indiretamente aos produtos e serviços gerados.

Todos os valores incorporados ao estoque, inclusive através de ordens de produção, são transferidos por movimentações de valor.

O mecanismo geral de custeio é mostrado na figura abaixo:

Todas as movimentações de valores de NFs ou rateios de valores de NFs (frete e similares), ou ainda valores calculados indiretamente, por exemplo a mão de obra, o são através de movimentações primárias. As movimentações primárias inserem valores no sistema de custeio, ie no sistema de estoques e movimentações.

A propagação destes valores entre registros de estoque se dá através de movimentações secundárias.

1. Custos incorporados por rateio de mão de obra

Estes custos incidem nas ordens de produção (OP).  No período do custeio, cada centro de custos direto (CCD) transfere para uma OP um valor dado por “horas realizadas pelo CCD na OP” x “custo/hora do CCD”.

Determinação das horas de trabalho realizadas pelo CCD em cada OP

Este valor resulta do apontamento da mão de obra.  Somando-se as horas realizadas pelo CCD em todas as OPs, obtém se o total de horas trabalhado pelo CCD durante o período de custeio.

Determinação do custo/h de um centro de custos direto

O cálculo do custo/h de um CCD é realizado nas seguintes etapas:

a) Determinação do custo dos centros de custo indiretos e seu rateio entre os centros de custos diretos

A energia elétrica, o aluguel e a manutenção dos imóveis e os insumos e serviços do refeitório são custos indiretos, rateados manualmente, ou através de percentuais fixos, entre os centros de custos diretos.  No recebimento de suas NFs não há movimentações, apenas LCs. A transferência de valores entre dos CCI para os CCD também é feita por lançamentos contábeis.

b) Adição dos custos diretos aos CCD

Os centros de custos diretos podem receber custos diretamente, por exemplo:

  • das folhas de pagamentos dos colaboradores associados diretamente a esses centros de custos, através de lançamentos contábeis.
  • da movimentação de peças de reposição ou material de consumo (graxa, etc…) do estoque para esses centros de custos
  • da realização de serviços de montagem ou manutenção de equipamentos, realizados por terceiros, através de lançamentos contábeis.

c) Cálculo do custo/h do CCD

Somando-se os custos transferidos dos CCI com os custos incidentes diretamente nos CCD, resulta o custo total do CCD no período do custeio.   O custo por hora do CCD no período é obtido pela divisão do custo total do CCD pelo total de horas de trabalho realizado pelo CCD sobre as ordens de produção.

2. Custos incorporados sem rateio de mão de obra

Incluem:

  • o valor das NFs de aquisição, incorporados diretamente a cada item comprado;
  • o valor das  NFs de frete, rateado entre os itens transportados de acordo com algum critério próprio (peso, volume, etc);
  • serviços realizados diretamente sobre itens individuais, que podem ser realizados por entidade externa, através de NF, ou por um centro de custos interno.
3. Custos incorporados por baixa de insumos

Durante a execução de uma ordem de produção, esta recebe insumos, que são itens do estoque, originários de compras ou de ordens de produção anteriores, além do rateio da mão de obra e custos incorporados diretamente.

Naturalmente, para se determinar o valor de um item, é necessário determinar antes o valor do rateio de mão de obra e o valor de seus insumos. Os seus insumos são outros itens, cujo valor tem que ter sido determinado precedentemente, através do valor de seus insumos e da sua mão de obra, e assim por diante.  Em outras palavras, há uma sequência na determinação das ordens de produção, sendo que o custo de cada OP só pode ser determinado após a determinação do valor de seus insumos, que podem resultar de OPs anteriores.

Os custos de mão de obra podem ser determinados de forma independente dessa sequência, pois dependem apenas dos valores totais incorporados aos centros de custos indiretos e diretos, e do apontamento de mão de obra.

Por outro lado, alguns requisitos adicionais devem ser satisfeitos, para atender a legislação:

  • o valor do estoque é obtido pela média ponderada móvel de cada item;
  • as devoluções e estornos devem ter o valor da movimentação original, não contaminando o estoque pelo cálculo da média ponderada móvel;
  • todos os produtos resultantes de uma ordem de produção devem ser produzidos pelo mesmo valor.

Para atender esses requisitos, todas as movimentações de valor de um item devem ser calculadas antes dos reflexos de uma  baixa desse item em uma OP de outro item.  Para isto, é necessário definir um ordenamento global dos itens, dos insumos para os produtos e, a a seguir, calcular todas as movimentações de  valor de um item antes do cálculo dos valores do item seguinte.

Vide: Por que as movimentações não são sempre avaliadas em ordem cronológica?

O exemplo a seguir mostra, de forma simplificada, o custeio da produção de uma mesa.

Exemplo

Ilustraremos o custeio industrial com um exemplo numérico que aborda os pontos principais da fabricação de uma mesa.

No dia 10/4 a indústria recebe um carregamento de 100kg de madeira, com preço de R$ 1000,00, mas a NF de frete chega apenas no dia 15/4 quando uma parte da madeira já foi usada.  O fluxograma a seguir mostra estas e as demais etapas da fabricação e venda.

Fig 1. Custeio antes da chegada da NF de frete

O MAXIPROD registrou as seguintes movimentações:

 Prim
/sec
MovimentaçãoAlterações no estoqueLC
10/4primNF: recebimento 100 kg de madeira por R$ 1000,00 (VC)estoque de madeira 100kgautomático
12/4secbaixa de 20 kg de madeira por R$ 200,00 para OP de pés de mesaestoque de madeira 80 kg
OP de pés de mesa R$ 200,00
custeio
13/4secbaixa de R$ 200 de mão de obra para a OP de pés de mesa-custeio
15/4primNF: R$ 100,00 de frete dos 1000 kg de madeira, é criada uma movimentação com data 10/4estoque de madeira recebe os 100,00 do frete, totalizando R$ 180,00automático
16/4secconclusão 6 pés de mesa da OP de 10 pés de mesa 6/10 * R$ 200,00 = R$ 120,00estoque de pés de mesa: 6 pés, valor R$ 120,00
OP de pés de mesa: 4 pés por R$ 80,00
custeio
18/4secbaixa de 4 pés de mesa para a OP de 1 mesa por 4/6*120,00 = R$ 80,00estoque de pés de mesa 2 por R$ 40,00
OP de 1 mesa: R$ 80,00
custeio
19/4secbaixa de 1 tampo de mesa para a OP de 1 mesa, por R$ 60,00OP de 1 mesa: R$ 140,00custeio

No dia 20/4 é solicitado o custeio, isto é, o recálculo de todos os valores.

Assume-se que os rateios de mão de obra já foram calculados; este cálculo não é detalhado.

Etapa 1

Os registros de estoque recebem o valor do fechamento contábil imediatamente anterior.  Para simplificar, vamos assumir que, nessa ocasião, todos os estoques tinham quantidade e valor 0, exceto o estoque de tampos de mesa, do qual, no fechamento antrior, havia uma quantidade = 5, com valor total R$ 300,00.

Etapa 2

Todas as movimentações não primárias tem o seu valor zerado, e todos os lançamentos de custeio são apagados.

Etapa 3

É feito o ordenamento dos itens movimentados no período, dos insumos para os produtos, resultando a sequência:

  • madeira
  • pé de mesa
  • tampo
  • mesa
Análise do item “madeira”
Dtprim
/sec
movimentaçãoquant e valor do estoqueLC
10/4primNF recebimento 100 kg de madeira por R$ 1000,00madeira: 100 kg, R$ 1000,00mantido
10/4primNF R$ 100,00 frete exclusivo dos 100kg de madeiramadeira: 100 kg, R$ 1100,00mantido
12/4secbaixa de 20 kg de madeira para a OP de pés de mesa, por 20/100 * 1100,00 = R$ 220,00madeira: 80 kg, R$ 880,00
OP de 10 pés: R$ 220,00
R$ 220,00
C: Estoque
D: Elabo

Análise do item “pé de mesa”

Dtprim
/sec
movimentaçãoquant e valor do estoqueLC
7/4primcriação da OP de pé de mesa-
12/4secrecebe R$ 220,00 de mov de outro item (madeira)OP de 10 pés: R$ 220,00já feito
13/4secrecebe R$ 200,00 de mão de obraOP de 10 pés: R$ 420,00R$ 200,00
C: CCustos
D: Elabo
16/4secconclusão 6 pés de mesa: 6/10 * 420,00 = R$ 252,00valor da OP do pé: R$ 168,00
valor do estoque de 6 pés: R$ 252,00
R$ 252,00
C: Elabo
D: Estoque
18/4secbaixa de 4 pés de mesa para a OP de 1 mesa = 4/6 * R$ 252,00 = R$ 168,00valor do estoque de 2 pés R$ 84,00
valor da OP da mesa = R$ 168,00
R$ 168,00
C: Estoque
D: Elabo

Análise do item “tampo de mesa”

Dtprim
/sec
movimentaçãoquant e valor do estoqueLC
fechamento anteriorvalor do estoque de 5 tampos R$ 300,00-
19/4secbaixa 1 tampo para a OP de 1 mesa, por R$ 60,00estoque de 4 tampos: R$ 240,00R$ 60,00
C: Estoque
D: Elabo

Análise do item “mesa”

Dtprim
/sec
movimentaçãoquant e valor do estoqueLC
7/4primcriação da OP da mesa-
18/4secrecebe R$ 168,00 de mov de outro item (pé de mesa)OP de 1 mesa: R$ 168,00já feito
19/4secrecebe R$ 60,00 de mov de outro item (tampo)OP de 1 mesa: R$ 248,00já feito
19/4recebe R$ 70,00 de mão de obraOP de 1 mesa R$ 318,00R$ 70,00
C: Ccusto
D: Elabo
20/4secconclui 1 mesa, transferindo-a para o almoxarifado "PRONTO"OP da mesa R$ 0,00
Estoque Pronto 1 mesa : R$ 318,00
R$ 318,00
D: Elabo
C: Pronto
25.4primvenda da mesa por R$ 800,00mesa no PRONTO: R$ 0,00
conta CPV recebe R$ 318,00
R$ 318,00 (custeio)
C: Pronto
D: Conta de Produtos
Vendidos
R$ 800,00 (autom)
C: Receita
D: Clientes a receber