Ficha futura exibe vínculos produtor-consumidor criados pelo MRP

Ficha futura exibe vínculos produtor-consumidor criados pelo MRP

A ficha futura de um item reflete os vínculos produção-consumo criados pelo MRP, que são associações entre entidades produtoras (estoque, compras, produção) e consumidoras (insumos de OPs, vendas). Explica os resultados do MRP, mostrando os consumos atendidos, e as necessidades de novas compras e produção. A ficha-futura apresenta, portanto, um quadro completo da situação presente e futura de um item, inclusive a previsão de faltas ou excessos, visando eventuais medidas corretivas.

Corresponde a uma previsão da ficha de estoque (kardex) do item.

A ficha-futura mostra, a partir do estoque atual, as produções e consumos que afetarão o estoque de um item:

  • Linhas de produção, com sinal positivo, que acrescentam material ao estoque:
    • as solicitações de compra
    • os pedidos de compra
    • as ordens de produção
  • Linhas de consumo, com sinal negativo, que retiram material do estoque:
    • as baixas como insumos de ordens de produção de outros itens
    • as vendas

Mostra também as reservas de estoque para os consumos futuros.

As linhas de “baixas como insumos” da ficha-futura correspondem aos vínculos criados pela última execução do MRP.  Portanto, se ocorrer uma alteração nos pedidos ou na estrutura de produto após a última execução do MRP, que resulte em alteração na necessidade de um item, esta ainda não estará refletida na sua ficha-futura.

Vínculos

Os vínculos são associações entre produtores e consumidores de um material, sendo gerados pelo MRP, e definidos por:

  • um código do item, sua quantidade e unidade
  • um produtor: qual estoque, ordem de produção, pedido de compra ou solicitação de compra
  • um consumidor, que pode ser um pedido de venda ou uma operação de ordem de produção

Uma reserva é um compromisso, um vínculo é uma previsão.

Ao iniciar a avaliação de um item, o MRP apaga todos os seus vínculos, a seguir recriando-os ou criando novos.

Os vínculos tem 2 utilidades:

a) melhorar a visualização do resultado do MRP, tanto na ficha-futura, como no multinível de produção, mostrando que consumo é atendido por que produção. Sem os vínculos não se sabe se um consumo é realmente atendido por uma produção.

b) permitir a realização do MRP de um só PVIT (item de pedido), pois armazenam as necessidades e atendimentos das necessidades dos demais pedidos.

Um vínculo é uma previsão, mas não é um comprometimento, como uma reserva.

Mesmo que, por exemplo, um material em estoque esteja vinculado como insumo de uma ordem de produção, ele pode ser usado em outra, ou vendido. No caso de uma reserva, o sistema não o permitiria.

Ao baixar um insumo para uma OP, ou ao faturar, os materiais são movimentados na seguinte sequência:

  • 1a prioridade: material reservado para o destino
  • 2a prioridade: material vinculado para o destino
  • 3a prioridade: material não vinculado para qualquer destino
  • 4a prioridade: material vinculado para outros destinos

O MRP cria os vínculos para os consumos em ordem cronológica de data do consumo, e para cada consumo na seguinte sequência:

  • 1a prioridade: reservas existentes, seja de estoque, OPs, etc;
  • 2a prioridade: estoque, em ordem de data de vencimento (se houver), senão em ordem de data de chegada do material no estoque;
  • 3a prioridade: ordens de produção e pedidos de compra, em ordem cronológica de previsão de conclusão/entrega;

Exemplo

Sejam 2 pedidos de mesas, conforme imagem abaixo:

Cada mesa tem, como insumos, 1 TAMPO e 4 PÉS.

Inicialmente, já temos 2 TAMPOs no estoque, e já emitimos 2 OPs, uma de MESAS e outra de TAMPOS:

Após rodar o MRP, abrimos as fichas-futuras dos itens MESA e TAMPO.

Ficha-futura do tampo

Na ficha futura do tampo temos os seguintes vínculos:

  • 4 tampos de mesa, produtor: OP 2, consumidor: OP 1, destinado ao pedido 1#1 de MOVELBOM
  • 4 tampos de mesa, produtor: OP 2, consumidor: OP 1, destinado ao pedido 2#1 de MOVELBONITO
  • 1 tampo de mesa, produtor: estoque ‘matéria prima’, consumidor: OP 1, destinado ao pedido 1#1 de MOVELBOM

Observe que, fisicamente, haverá um total de 12 tampos de mesa produzidos pela OP 2 e consumidos pela OP 1, mas contemplando 2 pedidos diferentes, além das 3 unidades que ficarão em estoque livre, que se soma ao estoque de 1 unidade que já existia antes da OP2, resultando um saldo total de 4 tampos de mesa.

A OP 1 receberá um total de 10 tampos de mesa, como insumo de 10 mesas (além dos pés de mesa, parafusos, etc.).

Na ficha-futura da MESA temos 2 vínculos:

  • 5 mesas produzidas pela OP1 para o pedido 1#1 de MOVELBOM
  • 4 mesas produzidas pela OP1 para o pedido 2#1 de MOVELBONITO

Por que os vínculos são separados por item do pedido de venda?

Observe que nos vínculos do exemplo acima há um dado entre [ ], indicando o item do pedido de venda associado ao vínculo. Por que?

O vínculo discriminado por pedido de venda facilita a visualização do estado de cada item de um pedido: onde estão os seus insumos, o que já foi produzido, o que falta produzir, o que falta comprar, o que está para ser recebido, etc…  Estas informações podem ser visualizadas no multinível futuro de cada item de um pedido.

Quantidade vinculada de uma OP ou SC para um item de pedido de venda

O campo Item de pedido de venda de uma OP ou SC é preenchido se todos os destinos dos vínculos da OP ou SC tem como destino o mesmo item de pedido de venda. Pode haver quantidades não vinculadas da OP ou SC ou de suas OPs-mães, o que não pode haver é quantidades vinculadas para outros itens de pedidos de venda.

Exemplo:
PVIT 8 mesas
+ OP 10 mesas
++ OP 10 tampos

  • o vínculo entre a OPmesa e o PVIT é exclusivo do PVIT das 8 mesas, porque as 2 mesas que sobram são para estoque, ou seja, nenhuma mesa será usada por outro PVIT. Esta quantidade vinculada pode ser reservada.
  • o vínculo entre a OPtampo e a OPmesa é exclusiva do PVIT das 8 mesas, pelo mesmo motivo: nenhum tampo será usado por outro PVIT. Esta quantidade vinculada pode ser reservada.

Vínculos ou reservas: semelhanças e diferenças

Os vínculos são ligações menos permanentes do que as reservas entre produtores (OPs, OCs, estoque, etc…) e consumidores (insumos de OPs e faturamentos). Os vínculos são criados pelo MRP (ao mesmo tempo que cria as OPs, por exemplo), e permanecem até a rodada de MRP seguinte.

Desta forma, mesmo sem converter o vínculo em reservas, pode-se ver a destinação da OP na “simulação de estoque”, que chamamos de “ficha futura”.

A diferença do vínculo com relação à reserva é que, se surge, por exemplo, um pedido de venda com data de entrega anterior às existente, o vínculo se desloca para a demanda anterior.

Isto pode ser desejável, ou não, dependendo das circunstâncias. Se um mesmo item é usado em mais de um pedido, e não se deseja que um pedido “roube” o que estava destinado ao outro, então tem-se que fazer uma reserva mesmo.  Por outro lado se, os itens, de forma geral, são mais ou menos específicos de um pedido, eles não serão “roubados” porque não haverá interessados.

Vide: Exemplo de produção não-seriada.

Vínculos e MRP de um ou alguns itens de pedidos de venda

Quando se roda o MRP parcial, sem incluir todos os itens de pedidos de venda, ao analisar cada item:

  • são buscadas todas as necessidades (PVITs, OPs, etc.) desse item, independente de seu PVIT estar ou não entre os incluídos nos PVITs cujo MRP se deseja rodar.
  • são apagados todos os vínculos que consomem a mesa, de todos os pedidos de venda.

Ficha futura: cálculo do MRP, e exibição

A ficha futura intervém em 2 momentos:

  1. no cálculo do MRP propriamente dito.
  2. na exibição da ficha futura de um item

No cálculo do MRP, ao iniciar a consideração de um item:

  • as SCs, OPs, SETs e SRTs sugeridas desse item são apagados
  • todos os vínculos do item são apagados
  • a ficha-futura é recalculada, criando novas SCs, OPs, SETs, e SRTs sugeridas, e novos vínculos

Na exibição da ficha futura de um item:

  • as SCs, OPs, SETs e SRTs sugeridas desse item são mantidas
  • todos os vínculos do item são apagados. Por que ? Porque entre a última rodada do MRP e o momento da exibição podem ter ocorrido novos fatos, tais como recebimentos, execução de OPs, conclusões, vendas, alterações das necessidades, etc… que devem ser levados em conta no recálculo dos vínculos.
  • a ficha-futura é recalculada, criando novos vínculos, mas sem criar novas SCs, OPs, SETs ou SRTs sugeridas. Sobre a ficha futura exibida, o usuário pode criar manualmente novas SCs, etc.

Vínculos e terceirização (em redação)

  • PE: própria empresa
  • CT: cliente de terceirização
  • FT: fornecedor de terceirização

Um vínculo tem:

  • origem: estoque, SC, SRT, SET(SET_D), item de PC ou OP
  • destino: insumo de OP, SET(SET_O), insumo de PCIT fabricado por FT, item de PV ou de NF,

Origem:

  • (DONO = PE, PODER = PE): situação normal.
  • (DONO = CT, PODER = PE): fabricamos para o nosso cliente de terceirização, o material é um insumo de propriedade de nosso cliente, que está no nosso estoque, e será baixado para uma OP que será de nossa propriedade, até que o produto da OP seja vendido para o cliente.
  • (DONO = PE, PODER = FT): mandamos fabricar fora, o material de nossa propriedade é um insumo do PCIT (que o FT nos fornecerá). Há 2 possibilidades:
    • o estoque de nossa propriedade já está em poder de terceiro, de onde será insumo do PCIT.
    • o estoque de nossa propriedade e nosso poder será transferido para o FT pela SET (SET_O, em nosso poder). Já em poder do terceiro (SET_D), a SET transferirá este estoque para o PCIT.
  • (DONO = CT, PODER = FT): situação inexistente

Destino:

  • (DONO = PE, PODER = PE): situação normal. Pode ser SET_O; neste caso, a SET transferirá o material de SET_O para SET_D, que já estará em poder do FT.
  • (DONO = CT, PODER = PE): fabricamos para o nosso cliente de terceirização, o material é um insumo de propriedade de nosso cliente, que está no nosso estoque, e será baixado para uma OP que será de nossa propriedade, até que o produto da OP seja vendido para o cliente.
  • (DONO = PE, PODER = FT): mandamos fabricar fora, o material é um insumo de terceirização, de nossa propriedade, que já foi enviado para o fornecedor de terceirização.
  • (DONO = CT, PODER = FT): situação inexistente