Terceirização

Terceirização de produção

Há terceirização quando uma parte de um produto,  ou um produto completo, é produzido por uma empresa (a terceirizada), sobre material de propriedade de outra (o cliente).

A terceirização tem reflexos físicos, fiscais e contábeis, tanto para o cliente, como para a empresa terceirizada. Sua produção decorre normalmente, exceto pelo fato de os insumos (todos, ou uma parte) não são comprados, portanto não são de propriedade da empresa terceirizada, mas sim do cliente.

Consequências:

  • este material recebido do cliente, ou por conta do cliente, deve ser armazenado em uma conta contábil classificada como “material de terceiros em nosso poder“, diferente do “material nosso em nosso poder“.
  • o produto resultante da terceirização não é vendido para o cliente, como em uma operação de venda normal, pois uma parte deste produto já pertencia ao cliente antes da produção.
  • ou seja, o valor da venda inclui apenas a mão de obra, e os insumos de sua propriedade que o terceirizado tiver agregado ao produto – e os impostos também são calculados sobre estes valores.
  • para evitar sonegação, a receita deve ser informada do destino dos insumos que o cliente enviou para a empresa terceirizada.  Todo insumo enviado deve ser devolvido, seja incorporado a um produto vendido para o cliente, seja em sua forma original.  Para isso, a empresa terceirizada precisa registrar a quantidade de cada material de propriedade do cliente, incorporada aos produtos.
  • O MAXIPROD registra isso automaticamente. Sempre que um material de propriedade de terceiro é baixada como insumo para uma ordem de produção, ele é acrescentado a uma lista de consumidos, que registra tanto a origem (a NF de recebimento do material) como o destino (a ordem de produção).  Isto facilita a  montagem da NF de “devolução dos materiais de terceiros incorporados ao produto”.
  • ao planejar a necessidade de insumos para a produção por conta de terceiros, o MRP do MAXPROD considera de forma independente o estoque de materiais de cada terceiro em seu poder,  gerando as solicitações de recebimento para terceirização  (SRTs) específicas para cada cliente.

Cadastramento da produção terceirizada no MAXIPROD

Quando a empresa terceirizada cadastra a estrutura de produto, a propriedade “Dono do item-filho” pode ter dois valores:

  1. Cliente: o insumo deve ser providenciado pelo cliente.
  2. Próprio: a própria empresa terceirizada providencia o insumo.

Operação da empresa terceirizada

  1. É cadastrado o pedido de venda do produto a ser entregue  ao cliente.
  2. O MRP  gera:
    • as ordens de produção (OPs) de itens fabricados
    • as solicitações de compra (SCs) de insumos a serem comprados diretamente pelo terceirizado.
    • as solicitações de recebimento para terceirização (SRTs) dos insumos de propriedade do cliente (dono do item-filho = “cliente”),  são enviados pelo mesmo, sem ordens de produção ou solicitações de compra.
  3. Recebimento e estocagem: o material recebido do cliente, ou de um fornecedor por conta do cliente, é colocado em estoque “em nosso poder, de propriedade do cliente”.
  4. Produção: os insumos de propriedade do cliente baixados para uma ordem de produção são anotados em uma lista de consumidos.
  5. Remessa dos produtos e devolução de insumos para o cliente:
    • devolução dos itens da lista de consumidos, incorporados aos produtos. Por obrigação legal, todos os materiais recebidos pelo terceirizado, de propriedade do cliente, são devolvidos ao mesmo através de NFs de devolução;
    • devolução de materiais de propriedade do cliente que sobraram, não tendo sido incorporados a produtos;
  6. produtos resultantes de materiais e mão de obra fornecidos pelo terceirizado ao cliente, em uma operação de venda normal.
terceirizado6

Quando uma única operação, ou poucas, são realizadas por outra empresa, a terceirização também é conhecida como “beneficiamento”.