Rejeição de NF-e

Rejeição de NF-e

105 – Lote em processamento

Quando uma nota fiscal está “Em processamento”, é necessário aguardar um pouco, normalmente uns dez minutos, e verificar novamente, se a nota já foi autorizada.

Para fazer essa verificação, selecione a nota fiscal, deixando a linha amarelada > menu NF-e > Verificar situação da NF-e selecionada junto à SEFAZ.

Se a nota já tiver sido autorizada, você terá o retorno que mostramos abaixo:

Caso a NF-e ainda não tenha sido autorizada, aguarda mais dez minutos e tente verificar a situação dela novamente.

Rejeição 204: Duplicidade de NF-e

Quando é emitida uma NF-e, com a mesma chave de acesso de uma NF-e já enviada / autorizada na SEFAZ, será retornada a rejeição “204 – Duplicidade de NF-e”.

Como resolver?

  1. Na maioria dos casos, essa rejeição ocorre quando tentamos enviar a mesma nota duas vezes. Então, utilizando a chave de acesso da nota, conecte-se no site de consulta de NF-e  e verifique se a nota que está enviando não é a mesma nota já presente na SEFAZ.
    1. Copie a chave de acesso.rejeicao de notas 1
    2. Faça a consulta no site de consulta de chave de acesso.rejeicao de notas 2
  2. Caso a nota fiscal seja a mesma nota autorizada na SEFAZ, faço os passos:
    1. Na tela de notas fiscais, selecione a nota rejeitada por duplicidade.
    2. Vá ao menu NF-e > Verificar e atualizar situação da NF-e selecionada junto à SEFAZ.rejeicao de notas 3
  3. Caso a nota fiscal seja diferente da nota autorizada na SEFAZ, é necessário enviar a nota que foi rejeitada, mas utilizando outra numeração. Para isso, siga os passos abaixo:
    1. Desfaça a emissão da nota fiscal.
    2. Deixe o campo do “Número” da nota em branco, assim, ao emitir, o sistema irá preencher a numeração com o próximo nº de NF-e gravado nas configurações.
    3. Emita e envie a nota.

Rejeição 205: NF-e está denegada na base de dados da SEFAZ

Há três possíveis motivos para a denegação de uma NF-e pela Receita:

  1. problema com o CNPJ ou Inscrição Estadual da empresa.
  2. irregularidade com o CNPJ do destinatário em relação à SEFAZ.
  3.  Os dados cadastrados do cliente no MAXIPROD não correspondem aos que este tem registrado na SEFAZ.

Primeiramente, recomendamos a consulta da situação dessa NF-e. Para fazer a consulta, utilize a chave de acesso, no link abaixo:

http://www.nfe.fazenda.gov.br/portal/consulta.aspx?tipoConsulta=completa

A mensagem de denegação mais comum é:

Neste caso, provavelmente ocorreu o motivo 2, onde o destinatário possui alguma irregularidade com a SEFAZ. Confira se os dados cadastrados para esse cliente estão corretos e correspondem ao seu CNPJ, através do link:

http://www.sintegra.gov.br/

Também pode ser utilizada a opção de “Buscar dados da SEFAZ”:

Se os dados estiverem corretos, sugerimos que contate diretamente o cliente, informando que a NF-e foi denegada. Caso tenha encontrado alguma inconsistência nos dados cadastrados,  corrija-os e tente enviar uma nova nota fiscal.

Lembramos que uma NF-e que foi denegada não pode ser reenviada, pois ela já consta da base de dados da SEFAZ com sua numeração gravada.

É necessário enviar uma nova NF-e com nova numeração. Para facilitar esse envio, você pode usar um dos atalhos existentes no sistema: Na tela de Notas Fiscais > Selecione a NF-e que foi denegada > Vá no menu Ações > Duplicar registro selecionado. Isso resulta na criação de uma nova NF, idêntica à NF selecionada.

Caso a NF-e seja denegada novamente, entre em contato com o destinatário.

Depois de corrigidas as irregularidades, faça um novo envio de NF-e, com uma nova numeração, conforme explicado acima.

Rejeição 206: NF-e já está inutilizada na Base de dados da SEFAZ

Quando emitimos uma NF-e que possui uma numeração que já foi inutilizada na SEFAZ, será retornada a rejeição “206 – NF-e já está inutilizada na Base de dados da SEFAZ”.

Como resolver?

  1. Não é possível reutilizar uma numeração inutilizada. Deve-se, nessa situação, emitir a NF-e com uma nova numeração, ainda não utilizada. Para utilizar uma nova numeração, siga os passos abaixo:
    1. Desfaça a emissão da nota fiscal.
    2. Deixe o campo do “Número” da nota em branco, assim, ao emitir, o sistema irá preencher a numeração com o próximo nº de NF-e gravado nas configurações.
    3. Faça a emissão e o envio da nota.

Rejeição 207: CNPJ do emitente inválido

Quando for emitida uma NF-e com CNPJ do Emitente inválido (o CNPJ de sua empresa), será retornado a rejeição “207 – CNPJ do emitente inválido”.

Os erros normalmente estão associados a algum erro de digitação do CNPJ no cadastro da empresa.

Como resolver?

  1. Verifique, no cadastro de sua empresa, se o CNPJ foi digitado corretamente. Para isso, siga os passos:
    1. Vá no menu 12 > Editar minha empresa.
    2. Verifique se o CNPJ informado foi digitado corretamente.
  2. Se o CNPJ estiver digitado corretamente, então verifique se o CNPJ de sua empresa está cadastrado corretamente na base de dados da SEFAZ. Para isso, siga os passos abaixo:
    1. Clique aqui para acessar a página de Consulta de CNPJ da Receita Federal.
    2. Digite o seu CNPJ e clique para consultar.
    3. Verifique o retorno da SEFAZ, onde são apresentadas as suas informações cadastrais.

Rejeição 210:  IE do destinatário inválida 

Quando emitirmos uma NF-e e com a Inscrição Estadual do destinatário (IE) inválida, é retornada a rejeição “210 – IE do destinatário inválida”.

Os erros normalmente estão associados a erros de digitação da IE do destinatário.

Como resolver?

  1. Consulte os dados do destinatário através do site: www.sintegra.gov.br
  2. Verifique, na edição do cadastro da empresa do cliente, se a IE foi digitada corretamente.
    rejeicao de notas 4
  3. Após corrigir a IE do destinatário, entre na edição da nota fiscal e clique novamente para enviar a NF-e.

Rejeição 351: Valor do ICMS da Operação no CST=51 difere do produto BC e Alíquota

Quando emitimos uma NF-e, em que o CST de ICMS é igual a “51 – Diferimento” e o Valor do ICMS da Operação  é diferente do produto (multiplicação) da Base de Cálculo e a Alíquota do ICMS , é retornada a rejeição “351 – Valor do ICMS da Operação no CST=51 difere do produto BC e Alíquota”.

Como resolver?

  1. Primeiro, certifique-se se o CST do ICMS da operação deve ser de fato 51. Na maioria dos casos, essa rejeição retorna pois a operação está sendo feita de forma incorreta.
  2. Caso o CST do ICMS seja o “51 – Diferimento”, siga os passos abaixo:
    1. Entre na edição de um dos itens da nota, em que se utiliza o CST 51 para o ICMS.
    2. Na edição do item, mais abaixo você encontra a grade de impostos que incidem sobre o item.
    3. Verifique (manualmente) se o valor resultante da Base de cálculo x Alíquota do ICMS está igual ou diferente ao preenchido no campo do valor do ICMS.rejeicao de notas 5
    4. Se o valor estiver diferente, entre em contato com a MAXIPROD, que solucionará o ocorrido. Em caso de urgência, edite manualmente o campo “Valor”, marcado na imagem acima, informando o valor corrigido.
    5. O principal motivo dessa divergência é um arredondamento, resultante do cálculo da operação.

Rejeição 387: Código de Enquadramento Legal do IPI inválido

Quando emitimos uma NF-e com Código de Enquadramento Legal do IPI preenchido com valor que não existe na tabela do “Anexo XIV – Código de Enquadramento legal do IPI” (p. 28), será retornada a rejeição “387 – Código de Enquadramento Legal do IPI inválido”. A mesma rejeição virá nos casos em que esse campo está em branco.

Como resolver?

  1. Entre na edição do item da nota fiscal.
  2. Logo abaixo, na edição do item, você encontra a grade de impostos desse item. Clique para editar o IPI.
  3. Verifique se o campo “Código de enquadramento legal” está preenchido. rejeicao de notas 6
  4. Se o seu regime tributário é Simples Nacional, na grande maioria dos casos o preenchimento é com a opção 999 – Tributação normal. De qualquer forma, indicamos que faça essa conferência com a sua contabilidade. Abaixo, seguem as regras disponibilizadas pela SEFAZ para o preenchimento do código de enquadramento legal:
    • Se CST = “02” ou “52”, informar um valor entre “301” e “399”;
    • Se CST = “04” ou “54”, informar um valor entre “001” e “099”;
    • Se CST = “05” ou “55”, informar um valor entre “101” e “199”;
    • Para os demais casos, informar um valor entre “601” e “608” ou “999”.
  5. É possível deixar essa configuração pré-cadastrada, para que nas próximas vezes esse campo já venha preenchido. Para isso, siga os passos abaixo:
    1. Vá no menu Fiscal > Cadastros > Operações fiscais.
    2. Na tela de Operações fiscais, entre na edição da Operação que utiliza em suas operações, e preencha o campo do código de enquadramento legal.
    3. Na edição da Operação fiscal, expanda a última opção, chamada “Informar inicialização dos impostos”.
    4. Clique para editar o imposto IPI.
    5. Preencha o campo “Código de enquadramento legal” e clique para salvar as edições feitas.

Rejeição 508: CST incompatível na operação com Não Contribuinte

Quando emitimos uma NF-e para um destinatário cadastrado como “Não contribuinte” e com CST do ICMS diferente da relação abaixo, será retornada a rejeição “508 – CST incompatível na operação com Não Contribuinte”:

  • 00 – Tributada integralmente;
  • 20 – Com redução da Base de Cálculo;
  • 40 – Isenta;
  • 41 – Não tributada;
  • 60 – ICMS cobrado anteriormente por Substituição Tributária

Como resolver?

  1. Verifique o cadastro do destinatário. Na maioria dos casos, é um erro de cadastro e o destinatário é contribuinte. Deixe de acordo com o cadastro do cliente na SEFAZ, confira aqui.rejeicao de notas 7
  2. Caso haja um erro de cadastro e o destinatário é “Contribuinte”, faça a correção no cadastro da empresa e clique para emitir e enviar novamente a nota.
  3. Se o cliente for “Não contribuinte”,  será necessário alterar o CST do ICMS. Para isso, siga os passos abaixo:
    1. Conforme as regras mencionadas acima, verifique qual deve ser o CST utilizado na sua operação.
    2. Entre na edição do item da nota fiscal.
    3. Logo abaixo, na edição, está a grade de impostos que incidem sobre o item.
    4. Clique para editar o imposto ICMS > Altere o CST do ICMS.
    5. rejeicao de notas 9
    6. É possível deixar essa configuração pré-cadastrada, para que nas próximas vezes esse campo já venha preenchido corretamente. Para isso, siga os passos abaixo:
      1. Vá no menu Fiscal > Cadastros > Operações fiscais.
      2. Na tela de Operações fiscais, entre na edição da Operação que utiliza em suas operações. Se desejar, pode criar uma Operação fiscal específica para “não contribuinte”; para isso, selecione uma Operação fiscal semelhante à desejada e vá ao menu, abaixo do menu superior, “duplicar registro selecionada”.
      3. Na edição da Operação fiscal, expanda a última opção, chamada “Informar inicialização dos impostos”.
      4. Clique para editar o imposto ICMS.
      5. Informe o CST do ICMS para operações com destinatário não contribuinte.

Rejeição 528: Valor do ICMS difere do produto BC e Alíquota

Quando emitimos uma NF-e e o produto (multiplicação) da Base de cálculo do importo ICMS e Alíquota de ICMS difere do previsto, é retornada a rejeição “528: Valor do ICMS difere do produto BC e Alíquota”.

O erro normalmente ocorre por dois motivos principais:

a) O CST / CSOSN do ICMS não permite valor no ICMS, por exemplo, “400 – Não tributada pelo simples nacional”, e você está informando algum valor no ICMS.

b) O CST / CSOSN do ICMS é algum da relação a seguir, os quais permitem valor no ICMS: ” 00 – Tributada integralmente”, ” 10 – Tributada e com cobrança de ICMS por ST”, ” 20 – Com redução da base de cálculo” ou ” 70 – Com redução de base de cálculo e cobrança do ICMS por ST”. Porém, por algum erro no cálculo (por exemplo, diferença de R$00,01 por arredondamento), o valor do ICMS difere do esperado do produto da Base de cálculo e Alíquota.

Como resolver?

Se a sua situação se encaixa no ponto a, mencionado acima, siga os passos abaixo:

  1. Se a operação que está realizando é de venda, entre na edição dos itens e deixe o campo “valor” do ICMS zerado. rejeicao de notas 10
  2. Se a operação que está realizando é de devolução, seu regime tributário é Simples Nacional e está fazendo uma devolução para uma fornecedor que não é do simples, siga os passos abaixo:
    1. É necessário informar o valor do ICMS, porém, deve-se usar a CSOSN “900 – Outros”. Para fazer essa alteração, entre na edição do item da nota > logo abaixo, na edição do item, onde se encontra a grade de impostos que incidem sobre esse item > edite o imposto ICMS > Altere o CSOSN para “900 – Outros”.rejeicao de notas 11
    2. O valor do IPI, no campo do imposto, deve ser zero. Para informar esse valor, deve ser usado o campo “Outras despesas”.rejeicao de notas 12

Abaixo, a base legal que orienta os procedimentos descritos acima:

Resolução CGSN 94/2011
Art. 57. A ME ou EPP optante pelo Simples Nacional utilizará, conforme as operações e prestações que realizar, os documentos fiscais, inclusive os emitidos por meio eletrônico, autorizados pelos entes federados onde possuir estabelecimento. (Lei Complementar n º 123, de 2006, art. 26, inciso I e § 4 º )
§ 5 º Na hipótese de devolução de mercadoria a contribuinte não optante pelo Simples Nacional, a ME ou EPP fará a indicação no campo “Informações Complementares”, ou no corpo da Nota Fiscal Modelo 1, 1-A, ou Avulsa, da base de cálculo, do imposto destacado, e do número da nota fiscal de compra da mercadoria devolvida, observado o disposto no art. 63. (Lei Complementar n º 123, de 2006, art. 26, inciso I e § 4 º )
§ 7 º Na hipótese de emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), modelo 55 (eletrônica), não se aplicará o disposto no § 5 º , devendo a base de cálculo e o ICMS porventura devido ser indicados nos campos próprios, conforme estabelecido em manual de especificações e critérios técnicos da NF-e, baixado nos termos do Ajuste SINIEF que instituiu o referido documento eletrônico. (Lei Complementar n º 123, de 2006, art. 26, inciso I e § 4 º )

Se a sua situação se encaixa no ponto b, mencionado acima, siga os passos abaixo:

  1. Entre na edição do item da nota.
  2. Na edição do item, mais abaixo, está a grade de impostos que incidem sobre esse item.
  3. Verifique (manualmente) se o valor resultante da Base de cálculo x Alíquta do ICMS está igual ou diferente ao preenchido no campo do valor do ICMS.rejeicao de notas 5
  4. Se o valor estiver diferente, entre em contato com a MAXIPROD, para solucionar o ocorrido. Em caso de urgência, edite manualmente o campo “Valor”, marcado na imagem acima, informando o valor corrigido.

Rejeição 531: Total da BC ICMS difere do somatório dos itens

Quando emitimos uma NF-e e o somatório da base de cálculo do ICMS dos itens difere do total da base de cálculo do ICMS, será retornada a rejeição: “Rejeição 531: Total da BC ICMS difere do somatório dos itens “.

O erro ocorre por dois motivos principais:

a) O CST / CSOSN do ICMS não permite valor no ICMS, por exemplo, “400 – Não tributada pelo simples nacional”, e está sendo informado algum valor no ICMS.

b) A soma da base de cálculo do itens difere do total. Exemplo: item 1 e item 2 possuem, cada um, 100 reais de base de cálculo de ICMS. E no total da nota, a base está diferente de 100+100 = 200,00. Neste caso, vá ao menu Ações > Recalcular e reenvie a nota fiscal. Caso persista a rejeição, entre em contato com a MAXIPROD.

Como resolver, se a situação é a)?

  1. Se a operação que está realizandoé de venda, entre na edição dos itens e zere o campo “valor” do ICMS ou corrija a CSOSN para alguma que permita valor de base de cálculo de ICMS nos itens. rejeicao de notas 10
  2. Se a operação que está realizando é de devolução,  seu regime tributário é Simples Nacional e está fazendo uma devolução para um fornecedor que não é do simples, siga os passos abaixo:
    1. É necessário informar o valor do ICMS, porém, deve-se usar a CSOSN “900 – Outros”. Para fazer essa alteração, entre na edição do item da nota > na edição do item, encontra-se a grade de impostos que incidem sobre esse item > edite o imposto ICMS > Altere o CSOSN para “900 – Outros”. Dessa forma, será possível informar valores no ICMS.rejeicao de notas 11
    2. Se essa nota que está devolvendo também tem valor de IPI, o valor desse imposto, na edição do itens, deve ser zero. Você deve informar o valor total do IPI no campo “Outras despesas”, presente na nota.rejeicao de notas 12

Abaixo, a base legal que orienta os procedimentos descritos acima:

Resolução CGSN 94/2011
Art. 57. A ME ou EPP optante pelo Simples Nacional utilizará, conforme as operações e prestações que realizar, os documentos fiscais, inclusive os emitidos por meio eletrônico, autorizados pelos entes federados onde possuir estabelecimento. (Lei Complementar n º 123, de 2006, art. 26, inciso I e § 4 º )
§ 5 º Na hipótese de devolução de mercadoria a contribuinte não optante pelo Simples Nacional, a ME ou EPP fará a indicação no campo “Informações Complementares”, ou no corpo da Nota Fiscal Modelo 1, 1-A, ou Avulsa, da base de cálculo, do imposto destacado, e do número da nota fiscal de compra da mercadoria devolvida, observado o disposto no art. 63. (Lei Complementar n º 123, de 2006, art. 26, inciso I e § 4 º )
§ 7 º Na hipótese de emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), modelo 55 (eletrônica), não se aplicará o disposto no § 5 º , devendo a base de cálculo e o ICMS porventura devido ser indicados nos campos próprios, conforme estabelecido em manual de especificações e critérios técnicos da NF-e, baixado nos termos do Ajuste SINIEF que instituiu o referido documento eletrônico. (Lei Complementar n º 123, de 2006, art. 26, inciso I e § 4 º )

Rejeição 539: Duplicidade de NF-e, com diferença na Chave de Acesso

Quando emitimos uma NF-e com uma numeração que já foi utilizada, e essa nota que enviamos possui uma chave de acesso diferente da nota presente no banco de dados da SEFAZ, será retornada a mensagem de rejeição “539: Duplicidade de NF-e, com diferença na Chave de Acesso”.

Como resolver?

Inicialmente, verifique qual a nota existente na SEFAZ, para garantir que o envio da nota atual não está sendo feito por engano. Para verificar, copie a chave de acesso dessa nota, presente na mensagem de rejeição, conforme destacamos (em negrito) no exemplo abaixo:

“Duplicidade de NF-e com diferença na Chave de Acesso [chNFe: 99999999999999999999999999999999999999999999][nRec:999999999999999]”

Acesse o site de consulta de NF-e por chave de acesso, clicando aqui. Digite a chave de acesso e faça a consulta. É possível baixar o XML da nota, digitando também a chave de acesso, através deste link.

Com o XML em mãos, siga os passos abaixo para importar essa nota para o MAXIPROD:

  1. Na tela de notas fiscais, vá no menu NF-e > Importar NF-e emitida por outro aplicativo.
  2. Não será possível importar essa nota, se a nota atual, que possui o mesmo número, ainda existir. Exclua a nota atual, caso ela tenha sido feita em duplicidade – do contrário, siga primeiro os passos explicados mais abaixo.

 

Se deseja enviar essa nota que retornou rejeição, envie-a com outra numeração de NF-e. Para isso, siga os passos abaixo:

  1. Vá ao menu 12 > Configurações.
  2. Na tela de configurações, expanda a opção “Exibir configurações fiscais” > No campo “Próximo número”, digite o próximo número de NF-e que ainda não tenha sido utilizadorejeicao de notas 13
  3. Agora entre na edição da nota > Desfaça a emissão > Deixe o campo “Número” da nota em branco.rejeicao de notas 14
  4. Clique para enviar a NF-e novamente.

Rejeição 600: CSOSN incompatível na operação com Não Contribuinte

Quando emitimos uma NF-e para um destinatário cadastrado como “Não contribuinte” e com  do ICMS diferente da relação abaixo, será retornada a rejeição “600- CSOSN incompatível na operação com Não Contribuinte”:

  • 102 – Tributação SN sem permissão de crédito;
  • 103 – Tributação SN, com isenção para faixa de receita bruta;
  • 300 – Imune;
  • 400 – Não tributada pelo Simples Nacional;
  • 500 – ICMS cobrado anteriormente por substituição tributária ou por antecipação.

Como resolver?

  1. Verifique o cadastro do destinatário. Na maioria dos casos, é um erro de cadastro e o destinatário é contribuinte. Deixe de acordo com o cadastro do cliente na SEFAZ, confira aqui.rejeicao de notas 7
  2. Caso seja um erro de cadastro e o destinatário é “Contribuinte”, corrija o cadastro da empresa e clique para emitir e enviar novamente a nota.
  3. Se o cliente for “Não contribuinte”,  é necessário alterar o CSOSN do ICMS. Para isso, siga os passos abaixo:
    1. Conforme as regras mencionadas acima, o CSOSN deve ser um dos relacionados. Verifique qual deve ser o CSOSN utilizado na sua operação.
    2. Entre na edição do item da nota fiscal.
    3. Mais abaixo, na edição do item, encontra-se a grade de impostos que incidem sobre o item.
    4. Clique para editar o imposto ICMS > Altere o CSOSN do ICMS.
    5.  rejeicao de notas 9
    6. É possível pré-cadastrar essa configuração, para que nas próximas vezes esse campo já venha preenchido corretamente. Para isso, siga os passos abaixo:
      1. Vá ao menu Fiscal > Cadastros > Operações fiscais.
      2. Na tela de Operações fiscais, entre na edição da Operação fiscal que utiliza em suas operações. Se desejar, crie uma Operação fiscal específica para “não contribuinte”;  para isso, selecione uma Operação fiscal semelhante à desejada > vá ao menu, abaixo do menu superior, “duplicar registro apontado”.
      3. Na edição da Operação fiscal, expanda a última opção, chamada “Informar inicialização dos impostos”.
      4. Clique na edição do imposto ICMS.
      5. Informe o CSOSN do ICMS para operações com destinatário não contribuinte.

Rejeição 656: Consumo Indevido

Essa rejeição ocorre quando há excesso de consultas no servidor da SEFAZ em um período de tempo muito curto. O limite é de 600 consultas a cada 5 minutos para um mesmo certificado. Neste caso, a Sefaz bloqueia as consultas, retornando a rejeição “656 – Consumo indevido”.

Como resolver?

Não há correção a fazer. Aguarde pelo menos dez minutos e tente enviar novamente a nota. Caso retorne essa mesma rejeição, aguarde novamente dez minutos, e repita o processo.

Caso essa rejeição persista, por favor, entre em contato.

Rejeição 777: Obrigatória a informação do NCM completo

Quando emitimos uma NF-e com NCM (Nomenclatura Comum do Mercosul) com menos de oito dígitos, é retornada a rejeição “777 – Obrigatória a informação do NCM completo”.

Como resolver?

Verifique se a NCM informada no item possui os oito caracteres obrigatórios. Se não, siga os passos abaixo:

  1. Vá ao menu Fiscal > Cadastros > NCMs.
  2. Clique no lápis de edição da NCM a corrigir.
  3. Insira a NCM completa em “NCM*”.
  4. rejeicao de notas 16
  5. Clique para botao_salvar.

A seguir, emita e envie novamente a NF-e .

Rejeição 817: Unidade Tributável incompatível com o NCM informado na operação com Comércio Exterior [nItem:nnn] 

Quando emitimos uma nota fiscal de Operação de Exportação (CFOP inicia com “3”) ou com o CFOP igual a 1501, 2501, 5501, 5502, 5504, 5505, 6501, 6502, 6504 ou 6505,  e algum dos itens dessa nota está com uma unidade tributável incompatível com a NCM (Nomenclatura Comum do Mercosul) informada, é retornada a rejeição: “817 – Unidade Tributável incompatível com o NCM informado na operação com Comércio Exterior”.

Como resolver?

Existe uma Tabela de NCM e Unidades de Medidas Tributáveis no Comércio Exterior, onde são informadas as unidades de medida que devem ser utilizadas conforme a NCM do item.

  1. Consulte a Tabela de NCM e Unidades de Medidas Tributáveis no Comércio Exterior clicando aqui.
  2. Procure na Tabela de NCM a NCM utilizada no item da nota. Por exemplo, conforme a imagem abaixo, se estivermos utilizando a NCM 01019000, devemos utilizar para o item a unidade de medida “un”.rejeicao de notas 17
  3. Após identificar a unidade de medida a utilizar nessa operação, entre na edição do item da nota > ao lado do campo “Quantidade”, encontra-se o combo de opções para a seleção das unidades de medida > altere a unidade de medida e clique para salvar as alterações. rejeicao de notas 18
  4. Feitas as alterações necessárias em todos os itens da nota, envie novamente a NF-e.

Rejeição 999: Erro não catalogado

Essa rejeição ocorre por alguma falha, indisponibilidade ou intermitência na SEFAZ. O motivo “999” é um retorno genérico para uma falha que não possui uma mensagem padrão mapeada, ou para exceções e falhas na aplicação da Sefaz. Normalmente esse retorno acaba por indicar que a Sefaz está indisponível.

Como resolver?

Não há ação que possa resolver essa rejeição. Consulte a disponibilidade da SEFAZ de seu estado, clicando aqui.

Aguarde pelo menos dez minutos e tente fazer o envio novamente. Caso retorne a mesma rejeição, aguarde mais dez minutos e tente outra vez.

Caso essa rejeição persista, entre em contato.